83 3044 1000

João Pessoa

Olá, como você se chama?

Dívida tributária: desconto de 100% nos juros e multas

Por Larissa Teixeira (Advogada Associada)

Foi anunciado pelo Governo Federal na última quarta-feira, (17), programa de renegociação de dívidas tributárias para pessoas físicas e empresas, com descontos que podem chegar até 100% no valor das penalidades.

A medida visa auxiliar os contribuintes que, afetados pela pandemia, não conseguem regularizar seus tributos, podendo ter outros problemas decorrentes deste fato, além de ajudar o governo a recuperar parte dos créditos atrasados.

O programa irá conceder benefícios maiores para pessoas físicas, micro e pequenas empresas, Santas Casas, instituições de ensino e outras organizações da sociedade civil. Nesses casos, haverá desconto de até 100% sobre multas, juros e encargos, respeitando o limite de 70% do valor total da dívida. O cálculo da redução também levará em conta o impacto sofrido com a pandemia do novo coronavírus.

Para empresas de médio e grande porte, o desconto será de até 100% sobre multas, juros e encargos, limitado a 50% do valor total da dívida.

A transação anunciada vai beneficiar apenas empresas e pessoas em situação financeira frágil, motivo pelo qual os técnicos do Ministério da Economia não a chamam de Refin.

Para adesão à renegociação, será necessário comprovar incapacidade de pagamento dos débitos, ocasião em que serão analisados indicadores financeiros do candidato ao parcelamento.

Pela nova medida, no primeiro ano após a assinatura da renegociação, chamado de período de estabilização, haverá cobrança de 4% do valor do débito. Após esse período, o parcelamento para quitar a dívida terá 133 meses para as categorias com benefício maior.

No caso das empresas médias e grandes, o prazo será de 72 meses.

Se as dívidas forem referentes a cobranças previdenciárias, o prazo máximo adicional será de 48 meses.

Não poderão ser renegociados débitos com o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), o Simples Nacional e multas criminais inscritas na dívida ativa.

A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) estima que o programa gere aos cofres públicos da União R$ 56 bilhões. Deste valor, cerca de R$ 8,2 bilhões seriam arrecadados nos dois primeiros anos do programa, até 2022.

Posts Relacionados

Publicações

Revisão de precatórios federais

27 Novembro 2020

Por Nelson Torres (Advogado Associado)

Publicações

Quais os direitos dos aposentados por invalidez?

26 Novembro 2020

Por Luana Souza (Advogada Associada)

Publicações

Quem tem direito ao auxílio-doença por acidente de trabalho?

25 Novembro 2020

Por Bárbara Mendes (Advogada Associada)

Publicações

Dicas para aproveitar de forma segura a Black Friday

24 Novembro 2020

Por Jackson Lucena (Advogado Coordenador)

Publicações

Você conhece os direitos dos anistiados políticos?

23 Novembro 2020

Por Antônio Neto (Advogado Associado)