83 3044 1000

João Pessoa

Olá, como você se chama?

Relatório da PEC dos precatórios limita valores para 2022

Por Raphaela Neves (Advogada Coordenadora)

O Poder Executivo vem trabalhando uma nova saída para constitucionalizar o calote nos pagamentos dos precatórios da União, chegando bem próximo ao confisco ocorrido na era Collor.

Inicialmente, fora submetido ao Congresso Nacional, no dia 9 de agosto, a Proposta de Emenda Constitucional n° 23/2021 (PEC 23/2021) e hoje, 7 de outubro, com o resultado do trabalho realizado com a assistência do Tribunal de Contas da União (TCU) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), texto substitutivo mais brando, porém não menos gravoso, que, na tentativa de furar o teto de gastos públicos, altera as regras relativas ao pagamento dos precatórios para modular a forma de pagamento.

Na linha da hipótese que evoluiu no judiciário, principalmente após  manifestação do STF, capitaneada pelo ministro Luiz Fux, o novo texto da PEC, utilizando-se da premissa de que é necessário equacionar o pagamento dos precatórios para não inviabilizar ações governamentais, impôs, enquanto viger o art. 107 da ADCT, limitação dos pagamentos anuais de precatórios a 40 bilhões, reduzidas da projeção as despesas com o pagamento dos RPVs, corrigidos pelo IPCA para cada exercício subsequente.

Traduzindo em números, a União possui o equivalente a R$ 89 bilhões de reais em dívidas inscritas nos precatórios para o próximo ano e propõe honrar apenas 44% do total. 

Ou seja, o projeto objetiva postergar o pagamento de aproximadamente R$50 bilhões para o ano de 2023 ou amortizá-los por meio de burocráticos negócios jurídicos, como liquidação do crédito em outorgas e aquisição de ativos e negociações entre devedor (União) e credores.

Ademais, carimbando ainda mais a marca do judiciário em seu teor, não se pode deixar passar despercebida a nova tentativa de exclusão do Distrito Federal como foro nacional para as ações intentadas em desfavor da União (art. 109, §2º da Constituição), o que certamente inviabilizaria o acesso à justiça e causaria danos irreversíveis. 

Sob qualquer perspectiva, seja a proposta inicial apresentada exclusivamente pelo Legislativo, seja a apresentada com toques do judiciário, não se vislumbra outra situação senão sua motivação exclusivamente política em detrimento ao litigante contrário à União, tendo em vista que se pretende deixar de pagar os precatórios para utilizar-se dos créditos no fomento de programas sociais, como por exemplo, as mudanças no programa Bolsa Família.

O raciocínio é bastante simples, como a despesa com precatórios faz parte do Orçamento Geral da União e se posiciona, obrigatoriamente, dentro do teto de gastos, pode levar a cortes em outras áreas.

Somado ao longo trâmite processual que os credores transcorrem e, levando em conta os benefícios processuais inerentes à União, como os prazos em dobro e a prerrogativa da “remessa necessária”, que obriga a revisão pelo colegiado das suas decisões desfavoráveis, agora, mais um direito vem sendo massacrado ao arrepio da coisa julgada, da segurança jurídica e da responsabilidade fiscal.

Tais modificações nos fluxos de pagamento dos precatórios federais significam revogação expressa das previsões do artigo 100 da Constituição, que determina o pagamento em ordem cronológica das dívidas judiciais das Fazendas Públicas com a obrigatória inclusão da verba necessária no orçamento corrente e seu pagamento até o final do exercício seguinte.

Em resumo, o Poder Judiciário reconhece a União como devedora e, agora, o Executivo busca alterar a Constituição para impor um teto de pagamento dos precatórios com o objetivo de continuar custeando políticas públicas de seu interesse.

O texto ainda vai para a apreciação do plenário da Câmara dos Deputados e, em eventual aprovação, seguirá para os trâmites legislativos do Senado Federal.

Posts Relacionados

Publicações

Acumulação de benefícios após a Reforma da Previdência

13 Janeiro 2022

Por Bruno Farias (Advogado Associado)

Publicações

Isenção de Imposto de Renda para pensionista de ex-combatente

12 Janeiro 2022

Por Gracielle Viegas (Advogada Associada)

Publicações

Possibilidade de acumulação de cargos públicos

11 Janeiro 2022

Por Ana Paula Correia Lima

Publicações

Possibilidade de acumulação pensão por morte com outro benefício

10 Janeiro 2022

Por Paulo Vieira (Advogado Associado)

Publicações

Demora injustificada para conclusão de processo de aposentadoria pode gerar indenização

7 Janeiro 2022

Por Nayane Ramalho (Advogada Associada)