83 3044 1000

João Pessoa

Olá, como você se chama?

Sucessora de beneficiária falecida tem direito às parcelas atrasadas do benefício

Por Jéssica Carolina Grilo (Advogada Associada)

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), em Brasília, reconheceu o direito ao benefício assistencial de amparo ao idoso e ao deficiente mesmo após o óbito da beneficiária em prol de sua sucessora.

O Benefício de Prestação Continuada (BPC) deve ser concedido à pessoa com deficiência e ao idoso com sessenta e cinco anos ou mais, quando comprovado que não possui renda fixa, nem meios de prover o próprio sustento e o da família. Nesses casos não é necessário ser segurado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

A beneficiária (autora do processo), quando viva, comprovou incapacidade para o trabalho e para a vida independente por meio dos laudos médicos periciais, que atestaram que ela apresentava epilepsia parcial complexa.  Ficou provado, também, que a falecida não tinha renda própria, deixando dívidas, e que dependia da sua filha artesã, com quem morava e foi sua sucessora no processo.

 

Cabe esclarecer que a filha não passou a receber o benefício assistencial e sim o direito de receber os valores que eram de direito da sua mãe em vida. Em caso de dúvida, procure assessoria jurídica especializada.

Posts Relacionados

Publicações

Revisão de precatórios federais

27 Novembro 2020

Por Nelson Torres (Advogado Associado)

Publicações

Quais os direitos dos aposentados por invalidez?

26 Novembro 2020

Por Luana Souza (Advogada Associada)

Publicações

Quem tem direito ao auxílio-doença por acidente de trabalho?

25 Novembro 2020

Por Bárbara Mendes (Advogada Associada)

Publicações

Dicas para aproveitar de forma segura a Black Friday

24 Novembro 2020

Por Jackson Lucena (Advogado Coordenador)

Publicações

Você conhece os direitos dos anistiados políticos?

23 Novembro 2020

Por Antônio Neto (Advogado Associado)